quarta-feira, 12 de outubro de 2016

pras conta de água

brisa no rosto
e um pouco de
sossego
no meio das
rotina:
documentos
carimbos
protocolo 
foto 3x4
substituída
tecnologia
cor imprime
assina 
autentica
[soh num eh 
autêntica]

vejo mais 
sapatilhas
que salto alto 
pisando as ruas 

q alívio!
as mulheres
tão ficando mais leve

mesmo no centro 
pra onde todo mundo
vem pra resolver
assuntos pesados de
existir. existir com
o outro, fazendo parte
de um mesmo livro de registro
números, datas, papéis, 
assinaturas, 
quase sempre eh
soh isso q vale 
no tribunal

como julgar por isso
se a gnt sabe q enquanto
espera o servidor voltar 
da sua uma hora de almoço
sopra o vento num vem, num vai,
o sol aquece 
e a sombra de qualquer árvore 
convida para 
um cigarro, um poema, 
um pensamento no riso dela
e como isso eh melhor q 
leis e notas e senhas

um minuto sem fazer nada
um minuto existindo tudo
e o juiz ainda precisando de provas
pra ser justo 

e a gnt achando 
tudo normal 
mornal 
vomitando
a ausência
de água fresca daquele
que se diz 
o dono 
proprietário 
privado

o mesmo que canaliza a água
e diz q se a indulgência não for paga
não se pode regar, nem beber

eles gritam:
mais carne, mais luxo, mais poder
e a nossa água se vai pelos ralos

tudo bem! 
água e conforto?
não me conformo 
eh só pra quem pode 
o quê?

quem não tem 
esse poder de poder 
eh que fica aí 
sem entender pq que 
os rios são vendidos
engarrafados e inscritos
no cadastro nacional de
pessoa jurídica? eles não 
são nem pessoas nem jurídicas.
são rios

e pq o dono jurídico eh sempre:
homem, branco, herdeiro?

de quem eh o rio?
quem eh dono dessa água
doce que nos lava e sacia?

um copo de água por favor?
um copo de água moça?

não posso! sou samaritana
e essas lei, esses papel,
esses carimbo diz que eu não posso
a lei favorece mesmo
eh quem paga conta e dá conta 
não a uma samaritana

mas eu posso te contar um segredo?

ontem choveu de graça e
eu banhei de chuva
da mesma q enche o rio que eles exploram

não paguei
nem pedi permissão
me molhei 
e me lavei 
e quando lembrei
voltei pra casa
que tava 
sem água
encanada
mesmo depois 
daquele aguaceiro todo

aí lembrei
putz, num paguei as conta!

eh por isso moço
que eu não posso te dar de beber 
a lei me condena desde sempre

posso fazer um gato no sistema
violar a rede de esgoto
cavar um poço, como antes,
mas sabia q até pedir água pro vizinho 
eh crime agora?

nesse mundo de cá 
nem sangue
vale mais que dinheiro 
e carimbo

e
aquela velha sede 
a gnt nunca sacia